Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fundação Nadir Afonso

NADIR AFONSO - laurafonso@sapo.pt

Fundação Nadir Afonso

NADIR AFONSO - laurafonso@sapo.pt

22
Dez14

Belém

Laura Afonso

Judia de Tomás Ribeiro

(poesia que Nadir Afonso muitas vezes recitava)

 

Corria branda a noite; o Tejo era sereno;

A riba silenciosa, a viração subtil;

A lua em pleno azul, erguia o rosto ameno;

No céu, inteira paz; na terra, pleno Abril.

 

Tardo rumor longínquo; airosa barca ao largo,

Bordava áureo listão do Tejo ao manto azul;

Cedia a natureza ao celestial letargo;

Traziam meigos sons as virações do Sul.

 

Oh! Noites de Lisboa! Ó noites de poesia!

Auras cheias de aromas! Esplêndido luar!

Vastos jardins em flor! Suavíssimas harmonias!

Transparente, profundo, infindo, o céu e o mar…

 

(...)

 

Corria branda a noite; imersa em funda mágoa;

Fui sentar-me triste e só no meu jardim:

Ouvi um canto ameno! E um barco ao lume d’água

Vogava brandamente. A voz dizia assim:

 

“Dorme! E eu velo sedutora imagem,

Grata miragem que no ermo vi:

Dorme, impossível que encontrei na vida!

Dorme, querida, que eu descanto aqui!

 

Dorme! Eu descanto a calentar teus sonhos,

Virgens, risonhos que te vêm dos céus! Dorme!

E não vejas o martírio, as mágoas,

Que eu digo às águas e não conto a Deus!

 

(...)

 

Porque há-de o lume de teus olhos belos,

Mostrar-me anelos de infinito ardor?

Porque esta chama a consumir-me o seio?

Deus, de permei, nos maldiz o amor!…

 

Peito! Meu peito, porque anseias tanto?

Pranto! Meu pranto, basta já, não mais!…

É sina, é sina! Remador voltemos;

Não a acordemos… porque meus ais?…

 

Dorme, que eu velo, sedutora imagem,

Grata miragem que no ermo vi;

Dorme – impossível que encontrei na vida!

Dorme querida, que eu não volto aqui…

 

Sumiu-se a barca e eu chorava

Debruçada sobre o Tejo;

A aragem trouxe-me um beijo

Que nos meus lábios tomei!…

Ergui-me cheia de afecto;

Vi cintilar ainda a esteira

Da barquinha feiticeira,

E disse às auras: – Correi!

 

Trazei-mo! Quero contar-lhe

O fundo tormento enorme

Da judia, que não dorme

A penar de ignoto amor! Voai!

Trazei-me o seu nome,

O seu retrato, o seu canto,

Uma baga do seu pranto …

Que venha! O meu trovador!…

 

Ai! Não! Que há na minha história

Que suavize a tristeza?

Nasci na triste Veneza,

Onde perdi minha mãe;

Acalentaram-me lágrimas

Que derramava a saudade,

Na desgraçada cidade

Que não tem pátria, também.

 

Cresci; meu Pai, uma noite,

Disse-me: – É já tempo agora;

Ergue-te ao romper d’aurora

Vamos partir amanhã;

Vamos ver as terras santas,

Sepulcros de teus monarcas,

A pátria dos patriarcas,

Desde o Egipto a Canaan…

 

Fui… corri o mapa imenso

Das montanhas da Judeia;

Ai! Pátria da raça hebreia!

Ai! Desditosa Sião!

Que extensos montes sem relva!

Que paragens sem conforto!

Onde se estende o Mar-Morto

E onde serpeia o Jordão.

(...)

 

 

15819635_SUc9v[1].jpg

© Nadir Afonso

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Links

Autobiografia_Nadir Afonso

Blogs

Sites Nadir Afonso

Links

blog.com.pt

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D