Segunda-feira, 7 de Maio de 2018

A propósito de uma visita ao Museu Nadir Afonso, de Siza Vieira

 
04/2018

Sobre Nadir.

A propósito de uma visita ao Museu Nadir Afonso, de Siza Vieira

Por João Cepeda

À margem do Tâmega plantado, um corpo branco estende-se à beira-rio, na cidade (outrora) romana de Chaves.

Ao longe, um volume de um único piso, em betão branco aparente, repousa subtilmente sobre um conjunto de lâminas que o erguem do chão, refugiando-se das águas que, de quando em vez, ousam inundar a zona ribeirinha.

Somos encaminhados por uma ligeira rampa em granito, à cota alta.

O percurso – que estabelece a transição entre o centro histórico e as margens do rio, enaltecendo-o – faz-se (quase) sempre de olhos postos neste corpo simples, mas de enorme plasticidade.

O silêncio da paisagem envolvente, e dos campos verdes, marca-nos a cadência dos passos.

 

 

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

 

 

Silenciosa era também a casa de Nadir, em Cascais.

Como naquelas tardes passadas no sofá, junto ao pátio interior, em redor de uma mesa, a falar de arquitectura, de pintura, de arte – de tudo.

Sempre certeiro, Nadir chegava e com uma frase (ou um olhar apenas), era capaz de mudar a temperatura da sala – sobretudo, de (me) fazer pensar.

 

O génio de Siza Vieira (escolhido pelo próprio Nadir Afonso) deu forma a este elegante volume que se desenvolve ao longo do rio e que, aqui e ali, evoca subliminarmente o imaginário artístico e pictórico de Nadir. Conferindo-lhe uma leveza particular, as lâminas que sobre-elevam o edifício – perpendiculares ao rio, mas de orientação desencontrada – são rasgadas por uma série de aberturas que, criando interessantes enquadramentos visuais, nos remetem para as formas primárias que tanto informaram a obra geométrico-abstraccionista de Nadir Afonso: quadrados, triângulos, arcos de volta perfeita.

 

Com o seu espírito mordaz e o seu sentido de humor desconcertante, Nadir questionava-me sobre a razão de eu estudar a sua obra de arquitectura, quando afinal, “tinha sido sempre um pintor”. Nadir Afonso sabia a resposta, tão presente no seu riquíssimo percurso profissional com mestres como Corbusier e Niemeyer, como nos seus modernos projectos edificados, principalmente em Chaves, a sua terra natal. Apenas fazia questão de marcar, sempre (e uma vez mais), a sua incondicional paixão pela pintura.

Nadir Afonso era um pintor apaixonado, e obsessivo. Vivia para pintar, pintava para se sentir vivo.

 

 

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

 

 

No interior do Museu, a simplicidade e unidade material mantêm-se.

O granito do chão exterior transforma-se em soalho de madeira.

Através de um fino rodapé em mármore branco, a madeira faz-se parede e tectos brancos, iluminados pontual e controladamente por grandes janelas horizontais que enquadram pedaços do exterior (uma chega a ter mais de 40 metros contínuos, abertos ao verde de algumas árvores de fruto, e aos azuis do céu e do rio).

O despojamento do desenho de Siza convoca-nos para um diálogo íntimo com a obra de Nadir, ali exposta nas grandes exposições que inauguraram o Museu.

 

Não raras vezes, Nadir dizia que “a harmonia não se concilia com razões de outra ordem, funcionais ou outras; quando se compromete... sujeita-se!”

Por isso mesmo, e partindo sempre da proporção e da harmonia como os sustentáculos fundamentais da beleza, e da arte, para Nadir a arquitectura nunca se podia configurar como uma arte, pois tem como primeiro objectivo responder a uma função, suprir uma necessidade.

 

Percorremos os grandes espaços do Museu, e facilmente percebemos que o controlo da luz interior foi alvo de um processo de estudo aturado e detalhado, algo a que Siza já nos habituou em tantos outros projectos seus, como em Serralves e em Marco de Canaveses, entre outros. O resultado é sublime. De facto, um dos espaços mais interessantes é uma das principais salas expositivas, iluminada indirectamente por uma luz zenital branca e translúcida que, depois de atravessar dois vãos em tijolo de vidro junto à cobertura, mergulha suavemente por um longo lanternim longitudinal contínuo.

 

 

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

 

 

Para além de pintor, e arquitecto, Nadir foi sempre um pensador – algo que sempre me fascinou, e que o distinguia dos demais. Procurava compreender o porquê do que fazia, e o porquê de o fazer da forma como fazia. No fundo, pintava para compreender a razão porque pintava. E defendia, vigorosamente, que toda a arte era regida por leis matemáticas que estão presentes na natureza, e que todo o artista emprega intuitivamente na sua obra. Isso – essa ânsia de liberdade de expressão, não só em termos artísticos como também filosóficos – trouxe-lhe inúmeros problemas, mas também fez com que se tornasse autor de uma das obras mais importantes do modernismo português.

 

Siza Vieira sonhou ser escultor antes de ser arquitecto; Nadir Afonso sonhou ser pintor antes de se ter tornado arquitecto.

A associação destes dois nomes maiores do panorama artístico e arquitectónico contemporâneo português resultou aqui em pleno, num conjunto singular que afirma toda a sua transcendência e modernidade. A clareza do desenho proposto por Siza aproximou de forma sublime este Museu a Nadir Afonso e à complexidade do seu trabalho e pensamento artísticos, celebrando assim, da melhor forma, a sua obra e filosofia, tão singulares quanto pioneiros.

 

Nadir já não pôde ver a sua Fundação, o seu Museu.

Tanto na pintura, como na arquitectura, foi um autor marcadamente moderno, insatisfeito com o seu tempo – e com o seu cunho (sempre) muito pessoal.

Durante toda a sua existência, nunca cuidou do seu sucesso, promoção ou reconhecimento, nunca cuidou de ter “uma carreira”. Homem de vida pública modesta, viveu de forma recatada, totalmente dedicado à sua incessante paixão pela pintura, e à criação da sua extensa obra plástica e teórica.

 

 

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

 

 

No meio do jardim exterior, uma pequena estrutura, insondável, qual escultura de David Umemoto. Siza deixou-a – serviu para os testes de afinação do betão branco aparente, durante a obra.

Caminhamos junto ao rio, pelas traseiras, pelo entorno do Museu.

Do tempo restou um extenso muro de ruínas, propositadamente mantido e consolidado. Os velhos muros de pedra assinalam o sentido do tempo, e preservam silenciosamente a memória daquele lugar, a que chamam “Longras”.

 

“O tempo não existe”, escreveu Nadir Afonso (O Tempo não Existe: Manifesto, 2010).

Não sabemos.

Mas a sua obra, essa sim, não teve, não tem, nem terá tempo.

Ficará sempre intemporal. ◊

 

  


 

 
 

publicado por Laura Afonso às 16:12
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 10 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Apoie esta Petição. Vamos...

. Pássaros

. Museu de Arte Contemporâ...

. A propósito de uma visita...

. Panificadora de Vila Real...

. Vamos Salvar o edificio d...

. Túnel em Cascais com azul...

. Estudantes da Lunds Tekni...

. Plaza del Sol

. Museu Nadir Afonso é “Mel...

. Chaves

. Desenhos de Paris

. Málaga

. Da Ocidental Praia Lusita...

. Íris

. Place Rouge

. Tempestade do Norte

. Fora Absurda

. Degredados de Nadir Afons...

. A cidade das trevas

. A todos desejamos Bom Ano...

. Belém

. Boas Festas para todos

. A RTP Memória apresenta N...

. Nadir Afonso nasceu a 4 d...

. Caravana

. A Arte e a Matemática. Ex...

. Convite para a exposição ...

. Európio

. Visita ao Museu de Arte C...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds