Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fundação Nadir Afonso

NADIR AFONSO - laurafonso@sapo.pt

Fundação Nadir Afonso

NADIR AFONSO - laurafonso@sapo.pt

29
Jan21

Obre Teórica de Nadir Afonso, Volume II

Laura Afonso

Livro1.jpg

Edição da UPorto Press - Editora da Universidade do Porto.
Prefácio de Adelaide Ginga, Curadora e Investigadora.
Fazem parte do Volume II os seguintes títulos:
- Da Intuição Artística ao raciocinio Estético
- As Artes. Erradas Crenças e Falsas Críticas.
27
Jan21

Obra teórica de Nadir Afonso. Volume I

Laura Afonso
Edição da UPorto Press - Editora da Universidade do Porto.
Prefácio da Professora Celina Silva da Faculdade de Letras da Universidade Porto.
Fazem parte do Volume I os seguintes títulos:
- A Sensibilidade Plástica, originalmente escrita em francês, agora traduzida para português.
- Os mecanismos da Criação Artística também traduzida do francês. - O Sentido da Arte, já traduzida anteriormente do francês.

 

LIVRO0.jpg

 

15
Jan21

Prato “Cidade dos Príncipes” de Nadir Afonso

Laura Afonso

Fabrico Vista Alegre e edição limitada.

12
Jan21

UM ARTISTA FASCINADO PELA CIÊNCIA , por Carlos Fiolhais

Laura Afonso

https://dererummundi.blogspot.com/2021/01/um-artista-fascinado-pela-ciencia.html

Universo.png

UM ARTISTA FASCINADO PELA CIÊNCIA

MEU PREFÁCIO À OBRA "UNIVERSO E PENSAMENTO E OUTROS TEXTOS" DE NADIR AFONSO QUE ACABA DE SER EDITADO PELA UNIVERSIDADE DO PORTO:

Conheci pessoalmente o arquitecto, pintor e teórico da arte Nadir Afonso (1920-2013) em Novembro de 2005, quando se comemoravam os cem anos da Teoria da Relatividade Restrita de Albert Einstein, no Colóquio na Universidade do Porto intitulado “Einstein e a Teoria da Relatividade em Portugal: Simultaneidade e Perspectivas” em que ambos participámos. Mas eu já era, há muito, admirador da sua singular obra artística e ensaística.

Mais recentemente, ao participar no Encontro de Ciências Maria Paiva em Chaves, sua terra natal (não muito longe da terra da minha mãe), prestei homenagem à sua visão integradora entre as chamadas “duas culturas,” ao falar sobre “Ligar a Arte à Ciência: o projecto de Nadir Afonso.”  Na altura, e já não sendo possível a sua companhia, Laura Afonso, sua mulher, teve a amabilidade de me guiar numa visita ao Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso, que contém uma bela colecção de obras suas num edifício desenhado pelo seu colega e amigo Álvaro Siza Vieira.

É um privilégio prefaciar uma reedição, no quadro do projecto das suas Obras Completas,  dos livros que o artista flaviense escreveu em torno de temas científicos. São eles, por ordem cronológica da primeira edição:

1- Universo e Pensamento (título que abreviarei para UP), Lisboa: Livros Horizonte, 2000 (houve uma reediçãopassada uma década: Porto: Edições Afrontamento, 2010).

2- Nadir face a face com Einstein (NffE), Lisboa: Chaves Ferreira Publicações, Lisboa, 2008 (bela edição bilingue, encadernada e ilustrada com quadros do autor representando cidades, que o autor me ofereceu com simpática dedicatória).

3- O Tempo não Existe. Manifesto (TnE), Lisboa: Dinalivro, 2010 (também edição bilingue, com prefácio de João Pedro Fróis).

Os três livros estão encadeadossendo, a meu ver, UP a obra essencial. O segundp, contendo mais fórmulas, é uma explicitação e extensão dos argumentos contra Einstein já antes enunciados. E o terceiro pretende ampliar de um modo mais expressivo a mensagem, já presente em UP, e que está enfatizada no título. Há algumas compreensíveis repetições. Por exemplo, o primeiro capítulo de TnE está no final de UP.

A primeira marca de Nadir Afonso que desejo sublinhar– e que está bem patente nestes livros – é o seu prolongado interesse, diria mesmo fascínio, pela ciência e, portanto, a sua notável originalidade entre os artistas na procura de cruzamentos entre a arte e a ciência. Atrás de todas essas obras está o ensaio de teoria estética O Sentido da Arte (SA), Lisboa: Livros Horizonte, 1999 (havia uma edição em francês, Le Sens de l’Art, Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1983), cujo conteúdo é retomado em UP e em TnEDe modo que as três obras à volta da ciência se destinam, ainda que isso possa não transparecer logo, a esclarecer o sentido da arte, a grande questão do arquitecto que se tornou pintor.

No nosso século XX brilhou nas artes Almada Negreiros (1893-1970), que se interessou pelo antigo tema da “razão dourada” e seus derivados, uma tentativa, com as limitações conhecidas, de matematizar a arte, isto é, de procurar um cânone de base matemática que possa descrever o belo. Mas Nadir Afonso, no seu anseio individual de aproximação entre arte e ciência, não trilhou esse caminho, sobre o qual comenta em SA. Escreveu Nadir: “convém denunciar o lado falso das propriedades atribuídas a esta secção de ouro”(…) se o conceito de secção de ouro degenerou nessa absurda abstracção estética, isso deveu-se à acção conjugada das ciências aritméticas e das crenças místicas desenvolvidas em torno dos números.” (pp. 91-92 de SA)

A este respeito, lembro o curioso diálogo entre Le Corbusier, o famoso arquiteto suíço com quem Nadir Afonso trabalhou em França, e que era como Almada obcecado pela “razão dourada” (ver o seu livro O Modulor. Ensaio sobre uma medida harmónica…, Lisboa: Orfeu Negro, 2010), e Albert Einstein, em Princeton, nos Estados Unidos,  quando o primeiro, em 1946, trabalhou na equipa que projectou a sede das Nações Unidas, em Nova Iorque. Tendo-lhe exposto as suas ideias baseadas na razão dourada, a expressão da harmonia perfeita, o físico, sábio não apenas na física, retorquiu: “O senhor procura um conjunto de proporções que torne o belo fácil e o feio difícil.” Subentendia-se que era uma tarefa difícil…

Nadir Afonso não escolhe os caminhos mais fáceis e, por isso, mais percorridos. Na arte seguiu sempre o seu próprio caminho, tendo sempre por base a geometria. Artista polifacetado que percorreu vários estilos, é nítida a sua preferência pelas linhas curvas, tão do gosto do arquitecto brasileiro Oscar Niemeyer, outro gigante com quem trabalhou. Niemeyer é o autor do “Poema da Curva”, que termina invocando Einstein: "Não é o ângulo recto que me atrai,/ Nem a linha recta. Dura, inflexível/, criada pelo homem./ O que me atrai/ é a curva livre e sensual./ A curva que encontro nas montanhas/ do meu país, no curso sinuoso dos/ seus rios, nas nuvens do céu, no/ corpo da mulher preferida./ De curvas é feito todo o Universo./ O Universo curvo de Einstein."

Tal como Le Corbusier e Niemeyer, Nadir vê pontes entre arte e ciência, mas a uma profundidade maior. Cultivador da filosofia da arte, como aliás está bem patente em SA, ele tenta entender a ciência, a partir da sua experiência estética. A sua atitude é filosófica, de inquietação, de indagação. O seu interesse pelos fundamentos da ciência e da arte ressalta da seguinte citação: "A solução do problema cósmico, na mesma via perceptiva do fenómeno artístico, requer, à partida, um acto de reflexão fundado sobre o conceito de elementaridade e de simplicidade." (p. 105 de UP e p. 10 de NffE). Só vejo, entre os artista plásticos portugueses, um interesse pela ciência de dimensão semelhante em Fernando Lanhas (1923-2012), que foi arquitecto e pintor tal como Nadir Afonso. Os dois artistas, ambos do Norte, estudaram quase ao mesmo tempo na Escola Superior de Belas Artes do Porto.  E os dois foram pioneiros da arte abstracta em Portugal. 

O que têm de comum arte e ciência? O cientista busca o que é elementar e simples, tentando descobrir, como tão bem apontou o matemático e ensaísta britânico Jacob Bronowski, e muito antes dele o escritor romântico inglês Samuel Coleridge, elementos de unidade na espantosa variedade do mundo. Bronowski conclui que a ciência busca os princípios simples em que assenta a imensa complexidade que observamos na Natureza… e a arte também: “A ciência não é mais do que a busca da unidade na variedade desordenada da Natureza ou, mais exactamente, na variedade da nossa  experiência. A poesia, a pintura, as artes em geral, são o mesmo” (1956).

Nadir Afonso ficou em jovem, tal como eu, perturbado pela obra de Einstein. Tentou compreendê-lo, apesar de lhe faltarem as bases matemáticas e físicas para alcançar uma perspectiva fiel. Convém acentuar que Nadir está do lado de dentro da arte- a sua actividade - e não do lado de dentro da ciência. Não compreendendo a ciência de Einstein não hesita em criticá-la.: “Tantos ensaios dedicados à Relatividade e nem sequer um só, pelo menos daqueles que entre nós se encontram e lá fora se procuram, se propõe ou se mostra capaz de censurá-la? Desinteresse em publicar ou temor de criticar? (…) Deveria eu calar a minha voz que clama no deserto e deixar passar tão surpreendente reverência ainda que se me afigure assente sobre uma inexactidão científica?” (p. 50 de UP)

“Inexactidão científica” talvez não seja a melhor expressão. A sua crítica baseia-se numa alegada falta de ligação entre a física teórica e a percepção humana: “Não nos deixemos ofuscar pelo brilho das grandes teorias da ciência: os teóricos da cosmologia erram, e erram pelas pequenas sensações. Nunca a conceituada razão alcançou o controlo das nossas perceções nem poderá, por conseguinte, facilmente amestrá-las: esta apenas se corrigem mediante uma prática pessoal adequada ao objecto, numa criação elaborada.” (p. 80 de UP)

Parece-me haver aqui uma falta de demarcação entre ciência e arte, as quais, convergindo na busca de sentido,  o sentido ´diferente e a busca assume metodologias diferentes. Einstein, que era um modesto violinista amador, sabia distinguir ciência e arte: “Fazemos ciência quando reconstruímos na linguagem da lógica o que vimos e experimentámos; fazemos arte quando comunicamos por formas cujas ligações não são acessíveis à mente consciente mas, no entanto, reconhecemos intuitivamente nelas algum sentido” (1921). Mas o sábio de origem alemã estava ciente de que havia pontes entre as duas, uma vez que ambas procuram penetrar no mistério: “A coisa mais maravilhosa que podemos experimentar é o mistério. Ele é a raiz da verdadeira arte e da verdadeira ciência” (1931). Noutra ocasião, Einstein revelou que a imaginação, a capacidade que o público normalmente associa aos artistas e não aos cientistas, é um meio de que estes também se servem com liberalidade: “A imaginação é mais importante do que o conhecimento. O conhecimento é limitado. A imaginação dá a volta ao mundo” (1929).

Na trilogia em apreço dos livros de Nadir Afonso que se debruçam sobre a ciência, cujo conteúdo é da ordem da filosofia e não da ciência, o problema principal do autor é o conceito de tempo, um conceito sobre o qual Santo Agostinho nos legou, no Livro XI das suas Confissões, uma frase lapidar: “Que é o tempo (…) Se ninguém me perguntar, eu sei; porém, se o quiser explicar a quem me fizer a pergunta, já não sei.“ Nadir pergunta a si próprio o que é o tempo e responde, de uma maneira franca e directa (em TnE é logo no título), que ele não existe. O artista, talvez por não estar familiarizado com o cálculo infinitesimal, esbarra logo de início com o conceito de velocidade, que exige os conceitos prévios de espaço e de tempo, uma vez que a velocidade instantânea é a razão entre o espaço e o tempo infinitesimais. Mas, para Nadir, os conceitos básicos deverão ser espaço e movimento (portanto, velocidade), tendo o tempo de derivar daí de alguma maneira. Vejamos, em três curtos trechos, o modo como ele coloca o problema: “O espaço sente-se e mede-se. O movimento sente-se apenas: a velocidade dos corpos é irredutível a uma avaliação mensurável; e o tempo não se sente nem se mede.” (p. 40 de UP, uma ideia repetida na p. 28 de TnE); “Não há tempo. Há lei. Há espaço, há movimento” (p. 115 de UP e p. 21 de TnE); “Julgamos estar lidando com três factores - espaço movimento e tempo – quando na verdade apenas existe espaço e movimento, e urgência de refazer o estudo das leis da gravidade” (p. 117 de  UP e p. 27  de TnE).

Apesar de propor uma fórmula, onde entra a velocidade da luz, Nadir não consegue precisar de modo satisfatório o que é o tempo, negando por isso a sua realidade. Eu, que sou físico, julgo que o tempo existe, embora possa ser difícil de compreender. Nadir, na sua busca do elementar e do simples, assume na sua obra ensaística o seu problema com o tempo, defendendo que este não passaria de uma ilusão. Uma tal tese não deixa de ser uma interpelação à física.

Vejamos como a física trata o tempo, no seu capítulo da mecânica. A teoria da relatividade restrita de Einstein (de 1905) junta o espaço e o tempo numa só entidade (o espaço-tempo a quatro dimensões) e junta a energia e a massa numa relação íntima (traduzida por uma fórmula, que se transformou num ícone da física). A teoria da relatividade geral (de 1915) explica a força da gravidade juntando espaço, tempo, energia e matéria: a matéria-energia altera a geometria do espaço-tempo e a força da gravidade consiste precisamente nessa alteração. Este hipótese foi corroborada, entre muitas outras observações, por aquela que foi feita por cientistas britânicos de um eclipse solar total em 1919 na ilha do Príncipe, então uma colónia portuguesa, e em Sobral, no Nordeste do Brasil. Hoje, passados mais de cem anos, com as observações recentes de ondas gravitacionais e de buracos negros, somam-se os êxitos de Einstein. Ele não foi ainda ultrapassado, embora seja lícito pensar que um dia o venha a ser, tal como ele próprio ultrapassou Newton.

O que é o espaço para um físico? A extensão medida por uma régua. E o tempo? A duração medida por um relógio. Para Newton, autor maior da mecânica clássica, o espaço e o tempo estavam separados: Eram panos de fundo imóveis e universais. Pelo contrário, para Einstein, autor praticamente único da mecânica relativista, cada observador efectua as suas medidas de espaço e de tempo, podendo compará-las com as de outros observadores (a velocidade da luz é invariante, a mesma para todos eles). A concordância de todos os observadores a respeito das mesmas leis da física constitui a essência da teoria da relatividade. Sem esta invariância, que pode ser tratada como uma simetria, nem poderia haver uma física igual para todos.

Julgo que Nadir Afonso nunca pretendeu, metendo foice em seara que não era a sua, fazer descobertas científicas que destronassem a ciência vigente. O artista e ensaísta, absorvendo a física a partir de livros de divulgação científica (não é demais sublinhar a relevância destes livros para a disseminação da cultura científica), tentou apenas pensar a ciência de fora, com os naturais condicionalismos das suas formação e experiência.

Nadir não aceita a constância da velocidade da luz (que é um pilar das duas teorias da relatividade), não aceita a explicação relativista da dilatação do tempo em relógios em movimento (que faz com que um gémeo que empreenda uma viagem interestelar seja, ao regressar à Terra, mais novo do que o seu irmão), e não aceita a teoria do Big Bang descrita pela teoria da relatividade geral (que supõe uma curvatura extrema do espaço e do tempo). No seu quadro conceptual que é o percepção e da estética, Nadir coloca-se numa posição de desafio filosófico à ciência. Os resultados para a ciência são, como tinham de ser, limitados: ele não propõe, porque não pode propor, uma física alternativa. Mas é estimulante lê-lo, mesmo quando não faz mais do que expor as suas dúvidas. Fá-lo aliás numa prosa impressiva que dá gosto ler. É natural que ele tenha dúvidas. Assim como é natural que um físico experimente dificuldades em perceber os seus textos, uma vez que ele têm de ser entendidos de fora da física.

A verdade é que alguns físicos contemporâneos também têm muitas dúvidas sobre o tempo. Tentam pensá-lo de uma maneira não convencional, confrontando-se nesse processo com dificuldades várias, que por vezes parecem colossais. Refiro a este propósito as ideias do físico italiano Carlo Rovelli (autor de A Ordem do Tempo, Lisboa: Objectiva, 2015), que, na sua recente tentativa de juntar a teoria da relatividade geral com a teoria quântica, um grande sonho dos físicos de hoje na esteira das tentativas de Einstein unificar o electromagnetismo com a gravidade, acabou por encontrar um tempo caótico à escala quântica do qual emerge à escala macroscópica o tempo linear que vivenciamos.

A posição de Nadir é algo semelhante à do filósofo francês Henry Bergson, que nunca aceitou a teoria da relatividade de Einstein, defendendo o tempo como uma experiência psicológica. Na polémica que se estabeleceu extremaram-se posições. Mas é curioso que, em Portugal, o fílósofo que introduziu entre nós as ideias da relatividade, Leonardo Coimbra, tenha estado do lado de Einstein. O certo é que, fluindo o tempo para todos, a nossa compreensão dele ganhará com diversas aproximações, umas vindas da filosofia e outras vindas da ciência. A ciência está longe de ser a única dimensão humana. O mundo é misterioso e o mistério pode ser acedido de várias maneiras.

No final de UP fica mais claro o que o autor, guiado pela sua intuição, pretende afirmar. Para ele não há dúvida de que a arte está próxima da ciência, muito mais do que a busca da razão dourada sugere. As leis científicas têm reflexos inescapáveis na arte, designadamente as leis geométricas que subjazem a todas as artes visuais, existindo uma curva que se salienta às demais: “Quer os elementos quer as substâncias físicas fundem-se em normas geométricas. O que poderá existir de auto-suficiente senão a singularidade, a extrema simplicidade, a exactidão do círculo? Todo o o espaço cósmico se reduz, na sua essência,  a essa lei espacial absoluta; e qualquer outro principio, seja físico, seja geométrico, é uma sua proveniente complexidade. Síntese de todos os elementos da Natureza, o círculo exprime a forma elevada à sua redução última; ele encerra essa intuição demiúrgica hoje perdida” (p. 105 de UP e p. 10 de NffE).

Pouco mais adiante, Nadir traça, através de perguntas retóricas, um paralelismo entre arte e ciência: “E haverá assim tanta disparidade entre o conceito que funda a criação artística e o conceito paralelo que determina a criação universal? Não se manifesta, aqui, a mesma Natureza? Não existirá entre as diferentes leis um elo de ligação natural? O artista plástico tece as suas leis -  o seu Universo - como a Natureza tece a sua microestrutura geométrica e, depois, os seus sistemas cristalinos, até às formas mais complexificadas, onde as leis geratrizes se dispersam… e o artista, mediante a sua obra, de novo as reinstala” (p. 110 de UP).

O autor, num passo mais difícil de perceber porque a sua linguagem se aproxima da poesia, atribui “energias” às leis do universo: “Foi uma negligência fatal da ciência não ter percebido que a lei possui energias. Ela não só rege como também age: as energias das leis exigem um triângulo naquele canto do quadro. Há transmissão de energia por parte da lei e há recepção da energia por parte do sujeito (…) As leis geométricas são constantes, mas a sua percepção sensível evolui” (p. 120 de UP).

No seu Manifesto (TnE), Nadir está certamente a fazer filosofia da arte, quando procura fundamentar a arte em leis científicas, ou melhor matemáticas (mais do que uma ciência, a matemática é a linguagem da ciência): “Ora, eu creio que o artista procura intuitivamente, isto é, sem disso ter consciência, as leis matemáticas, as leis geométricas universais (…) A essência da obra de arte é de fonte matemática” (pp. 39 e 40 de UP e pp. 34-35 de TnE).

Para Nadir Afonso ciência e arte têm que dizer uma à outra. Na mente humana há espaço e tempo para as duas.

Pág. 1/2

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Links

Autobiografia_Nadir Afonso

Blogs

Sites Nadir Afonso

Links

blog.com.pt

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub