Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2012

Guardador de Rebanhos

 

 

© Nadir Afonso

 

Eu nunca guardei rebanhos,

Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr de sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
E se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.

 

Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)


publicado por Laura Afonso às 10:43
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 10 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Apoie esta Petição. Vamos...

. Pássaros

. Museu de Arte Contemporâ...

. A propósito de uma visita...

. Panificadora de Vila Real...

. Vamos Salvar o edificio d...

. Túnel em Cascais com azul...

. Estudantes da Lunds Tekni...

. Plaza del Sol

. Museu Nadir Afonso é “Mel...

. Chaves

. Desenhos de Paris

. Málaga

. Da Ocidental Praia Lusita...

. Íris

. Place Rouge

. Tempestade do Norte

. Fora Absurda

. Degredados de Nadir Afons...

. A cidade das trevas

. A todos desejamos Bom Ano...

. Belém

. Boas Festas para todos

. A RTP Memória apresenta N...

. Nadir Afonso nasceu a 4 d...

. Caravana

. A Arte e a Matemática. Ex...

. Convite para a exposição ...

. Európio

. Visita ao Museu de Arte C...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds