Domingo, 17 de Abril de 2011

As Artes - Erradas Crenças e Falsas Críticas. The Arts - Erroneous Beliefs and False Criticisms

 

 

 

 

Texto extraído do livro «As Artes - Erradas Crenças e Falsas Críticas»

© Nadir Afonso

 

 

Ora, todo o conhecimento, (nomeadamente nas Artes), começa por uma observação sensorial e a sua ambição consiste em encontrar a lei normal (nomeadamente de expressão matemática) que o fundamente e justifique. A partir de tal objectivo, torna-se necessário afastar, essa oposição filosófica, intransigente a que assistimos nas Ciências da Natureza, entre o sujeito prático defensor da sensação e o sujeito teórico, defensor da razão.

Para compreendermos e mais facilmente evitar semelhantes intransigências, ouçamos uns e outros.

Em primeiro lugar os sensistas afirmam: «a observação pura, sem mácula» escreve Francis Bacon (1561-1626) «é boa, e a observação pura não pode errar; a especulação e as teorias são más, e constituem a causa de todo o erro. Mais especificamente, fazem-nos ler mal o Livro da Natureza — ou seja, interpretar mal as nossas observações»[1]. «Bacon, o filósofo da ciência» afirma Karl Popper (1902) «era, muito coerentemente, inimigo da hipótese de Copérnico. Não teorizem, disse ele, abram os vossos olhos e observem sem preconceitos e não poderão duvidar que o Sol se move e a Terra está parada»[2].

 Ouçamos agora a tese contrária «Nunca serei capaz de expressar com veemência suficiente» escreveu Galileu Galilei (1564-1642) «a minha admiração pela grandeza de espírito destes homens que conceberam esta hipótese [heliocêntrica] e afirmaram ser verdadeira. Em oposição feroz à prova dos seus próprios sentidos e por pura força do intelecto, preferiram o que lhes ditava a razão ao que a experiência dos sentidos simplesmente lhes mostrava… repito, não existem limites para o meu espanto, quando reflicto no modo como Aristarco e Copérnico foram capazes de permitir que a razão conquistasse os sentidos, e desafiando os sentidos fazer da razão a senhora da sua crença»[3]. «Tal é o testemunho de Galileu quanto ao modo como as teorias científicas ousadas e puramente especulativas nos podem libertar dos nossos preconceitos. Bacon pelo contrário, defendia que estas novas teorias eram preconceitos especulativos, que apenas o abandono [da teoria] nos pode ajudar a libertar-nos de preconceitos, e que o pensamento [teórico] nunca tal pode conseguir»[4]. «O dogma anti-teórico de Bacon» […] «a ideia de que podemos expurgar à vontade as nossas mentes de preconceitos e ver-nos assim livres de todas as ideias ou teorias preconcebidas, preparatórias e anteriores à descoberta científica, é ingénua e errada»[5].

Como vemos, para uns é a observação prática que cria problemas, erros e preconceitos, para outros é o pensamento teórico. Para uns são os sentidos que nos desorientam, para outros são as especulações de intelecto…

Ora o facto de privilegiarmos quer a observação prática quer o pensamento teórico não deve ser encarado como uma grandeza de espírito do sujeito, mas como um defeito e uma limitação.

 
 

Now, all knowledge (namely in art) begins with a sensorial observation and its ambition lies in finding the nor­mal law (namely that of mathematical expression) to justify and confirm it.

From that objective, it is neces­sary to remove the intransigent philo­sophical opposition which we note in natural science, between the practical subject that defends sensation and the theoretical subject that defends reason.

To understand this and more easily avoid similar intransigencies let us hear both sides of the issue.

In the first place sensists state: «pure observation without blemish», writes Francis Bacon (1561-1626) «is good, and pure observation cannot go wrong; speculation and theories are bad and constitute the cause of all error. More specifically, they cause us to mis­read the Book of Nature - in other words, to misinterpret our observa­tions»[1]. «Bacon, the scientific philoso­pher», says Popper (1902) «was, most coherently, an enemy of Copernicus' s theory. Do not theorise, he said, open  your eyes and obsen'e without prejudice and you will not doubt that the Sun moves and the Earth is stationary»[2].

And now for the opposing thesis: «I will never be able to express with sufficient vehemence», said Galileo Galilei (1564-1642) «my admiration for the greatness of the spirit of these men who conceived this (heliocentric) hypothesis and stated that it was true. 1n strong opposition to the evidence of their very feelings and by pure force of their intellect they preferred what reason dictated to the experience simply shown them by their senses ... I repeat, there are no limits to my amazement, when I consider how Aristarchus and Copernicus allowed reason to overcome senses and challenged feelings to make reason the lady of their beliefs»[3]. «Such is Galileo's testimony as to how daring and purely speculative scientific theories will free us of our prejudices. Bacon, on the other hand, defended that these new theories were speculative prejudices, and that only by setting [theory] aside can help free us of prejudices and that [theoretical] thought can never achieve this»[4]. «Bacon' s anti-theoretical dogma» [ ... ] «the idea that we can freely expurga te our minds of pre-judice and so be free of all preconceived ideas or theories, up to and before scientific discovery, is naive and wrong»[5].

As we have seen, some consider that it is practical observation that creates problems, errors and prejudices, whilst others believe it is theoretical thought.



[1] According to a quotation by Karl Popper. O Mito do Contexto, pp 122.

[2] Karl Popper, O Mito do Contexto, pp 122.

[3] Idem.

[4] Idem.

[5] Idem.

 

 
 

[1]  Segundo citação de Karl Popper. O Mito do Contexto, pag. 112.

[2] Karl Popper, O Mito do Contexto, pag. 112.

[3]  Karl Popper. O Mito do Contexto, pag. 112.

 

 

[4]  Karl Popper, O Mito do Contexto, pag. 112.

[5] Karl Popper, O Mito do Contexto, pag. 113.

 

 


publicado por Laura Afonso às 11:33
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 9 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. A RTP Memória apresenta N...

. Nadir Afonso nasceu a 4 d...

. Caravana

. A Arte e a Matemática. Ex...

. Convite para a exposição ...

. Európio

. Visita ao Museu de Arte C...

. Açores

. Museu de Arte Contemporân...

. No Centro de Artes Nadir ...

. Nadir Afonso em Chaves

. Nadir Afonso em Castelo B...

. Reflexos no Museu

. Convite

. Figuras fabulosas

. «Nadir Afonso: Arquitetur...

. Exposição - Nadir Afonso,...

. Convite para a exposição ...

. Nadir Afonso: Arquitetura...

. Trágedia

. Serpente

. Ópera

. Sevilha

. Apoie esta Petição. Vamos...

. Vamos salvar o edifício d...

. Destruição da Panificador...

. Lille

. Exposição de Nadir Afonso...

. Ópera

. Visita ao Museu de Arte C...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds